Receba a revista por e-mailSiga-nos no TwitterAssine o RSS
publicidade
ideias
Esse mundo não é o suficiente?

De onde vem essa a nossa necessidade de fantasiar outra realidade?


Imagine um mundo sem tecnologia, onde seus habitantes convivem pacificamente com seus semelhantes e com a natureza. Esse mundo tem uma rica cultura e uma história maravilhosa.


Montanhas voadoras!


Você encontra algo assim em Avatar. Pandora é uma das luas do planeta Poliphenus, esse satélite é essêncialmente uma floresta gigante com grande diversidade de plantas e animais. Existe também uma raça humanóide chamda Na'vi, que diferente de nós, convive pacificamente com seu mundo.

Não vou focar especificamente no filme, você já deve tê-lo visto, ou pelo menos lido resenhas por ai. O fato é que não é difícil se apaixonar por esse mundo fictício, principalmente pela ótima qualidade visual do filme, mas ele se tornou um tipo de religião, alguns fãs até cogitaram suicídio:

'Eu não consigo parar de pensar sobre todas as coisas que aconteceram no filme e todas as lágrimas e arrepios que tive com ele. Eu até contemplei suicídio pensando que se eu fizesse isso, eu renasceria em um mundo similar a Pandora e tudo seria como em Avatar.'

'Eu tive exatamente o mesmo sentimento depois que vi Avatar – a doentia sensação de que Pandora não é real – e tentar tudo para apenas fugir dessa realidade e viver lá, até tentar me colocar em coma para que meu mundo dos sonhos fosse igual o de Pandora.'


[Veja também: Homem morre após assistir Avatar]


Quando li os depoimentos acima sobre Avatar fiquei imaginando em que mundo fictício eu gostaria de viver e imediatamente lembrei de 'Vanilla Sky', que possivelmente foi o filme que mais mexeu com minhas fantasias. Viver para sempre dentro de minha própria mente seria o meu desejo mais fantasioso.

Mas assim como em Matrix, viver dentro de minha própria mente não poderia ser distinguido desse mundo real, afinal o sonho é a realidade enquanto sonhamos.

Mas mesmo ao racionalizar a questão ainda fica aquele sentimento de que 'poxa, como eu gostaria de viver em uma realidade paralela!'. De onde vem esse sentimento? Por que não nos contentamos como nosso mundo real?

Esse sentimento de desencanto perante esse nosso 'mundinho feio e sem graça' não é algo novo; desde de que foi inventada a primeira história de fantasia, os homens sonham com outros mundos.

continue lendo


1
Blogueiro, publicitário, um dos sócios da Agencia In Vista, estudante de jornalismo. Se interessa por psicologia, filosofia, misticismo e teorias alternativas da realidade. Foi marcado por Clube da Luta, Matrix, O Universo Numa Casca de Nós, de Stephen Hawking, pelas obras de Nietzsche, e por Mil Platôs, livro de Giles Delleuze e Felix Guatarri.
Comentários
Expediente | Envie seu Texto | Coloque um banner em seu blog